04/07/2017 às 18:39:42 - Atualizado em 04/07/2017 ás 18:39:42 Imprimir

Manejo nutricional e doenças em hidroponia

Uma das vantagens ao se implantar um sistema de cultivo hidropônico é a redução significativa do ataque de doenças nas hortícolas crescidas neste sistema. A redução está em função da menor possibilidade de entrada de doenças no sistema, em função da separação espacial entre às raízes e o solo, que contêm inúmeros fungos e bactérias nocivos às plantas cultivadas. Entretanto, ao se adotara hidroponia como técnica de cultivo, o hidroponista tem que se ater a certos preceitos agronômicos fundamentais.

 

 

Um a ser adotado é o entendimento do que se é denominado em Fitopatologia Vegetal, área que estuda as doenças das plantas, do “triângulo das doenças”. Que pode ser explicado da seguinte forma: para que a ocorrência de uma doença qualquer e comum às plantas cultivadas em hidroponia possa causar um significativo dano econômico, a interação de três fatores deve existir, os quais são: ambiente favorável ao desenvolvimento do patógeno ou doença, o próprio patógeno ou doença e o hospedeiro ou planta, suscetível ao patógeno. A interação destes fatores é representada agronomicamente pelo “Triângulo da Doença”.
 

A avaliação específica de cada fator e a interação entre eles é fundamental para evitarmos ou diminuirmos a possibilidade da incidência de doenças no cultivo hidropônico. Assim, o uso de plantas resistentes a determinadas doenças, principalmente, se houver um histórico de incidência na área de implantação do projeto hidropônico é recomendável, como por exemplo, a utilização de cultivares de alface resistentes ao míldio, em regiões caracterizadas com endêmicas na incidência desta doença, além do uso de cultivares de alface resistentes ao Pythium, principalmente em sistemas que já apresentação esta doença.

Por outro lado, o controle efetivo do ambiente é importante. Assim, a limpeza, a troca de plásticos no momento certo, evitando-se a baixa incidência de radiação solar, o transplante no tempo certo, a manutenção da temperatura adequada da estufa e o uso de bandejas de plástico e substratos com garantia contra a presença de doenças, além do adequado manejo nutricional, principalmente com o controle efetivo do pH, pois a elevação do mesmo pode induzir a incidência de Fusarium, principalmente em sistema hidropônicos em substrato e da manutenção da oxigenação da solução nutritiva, com níveis de 0 2 dissolvido entre 8 a 10 mg/L, com o objetivo da redução da possibilidade da incidência de Pythium são práticas que ao serem inseridas como rotina servirão como prevenção a incidência de doenças.

De modo específico, a adoção destes controles é uma condição fundamental para se evitar o “fechamento do triângulo”, ou seja, a ocorrência da doença na hidroponia, uma vez que ao se controlar uma das três variáveis mencionadas, ou seja, um dos vértices do triângulo, a probabilidade da ocorrência da doença, mesmo que ela preexista no sistema, torna-se muito baixa. Assim, o conhecimento do triângulo das doenças é fundamental para o hidroponista.